Reflexões Melodramáticas ao Fim da Juventude

Eu, que jogado por terra
Tantas e tantas vezes
Tentei seguir o conselho do Velho:

E fui destruído, mas não derrotado;

E atirado aos leões por ser bom
E tornado homem ainda menino
E forçado a me matar a cada dia

E reergui-me, caindo em seguida;

Com a brancura de lençóis inocentes
Mantive o negror da tentação afastado
Enquanto diziam-me: “Salvou-te a alma”

E minhas idéias e ideais evanescem;

E se não escolhi meu nome
Tampouco o que fui ou virei a ser
(Ou serei a vir, ou verei a ir!)
A quem quer que passe, pergunto:

-Sabes quem és? E eu, quem sou?

E ando, sem esperar resposta.

Anúncios

3 Responses to Reflexões Melodramáticas ao Fim da Juventude

  1. Mary disse:

    Agora eu parei de vez!
    Muito legal, rosq.

    Bem, não se esqueça que os bonzinhos sempre se ferram, por mais que a gente insista em acreditar que dá pra ser. :/

    Bem, mas no fim das contas, acho que dá pra gente escolher por que caminho seguir sim, isso me parece coisa daquele rosq triste, deixa disso 😉

    Mas também ando por aí sem esperar a resposta de ninguém. bora tentar descobrir um dia?

  2. Rúbia disse:

    Roscoe! 😀

    Eu gostei muito da imagem que você pincelou aqui.

    Sabe… quanto à reflexão, flerexão, rexeflão, flexerão…
    Acho que não esperar a resposta é legal, mas não acho que ela nunca virá.
    Li o texto com a cabeça mais positiva possível, sim? Pq tudo por que passamos na vida, por pior que seja… nos torna quem somos e, se espertos, não sofreremos duas vezes pelo mesmo motivo.

    😉

  3. Mariana disse:

    (Matando a saudade dos seus textos aqui. Gosto tanto! Queria ler novos, embora sempre encontre uma novidade aqui) Acho que esse é o meu texto favorito da série. Do título que já desconstrói a seriedade e o drama (que é real, até muito tátil!) do assunto tratado, principalmente por você chamar de fim da juventude. Sei que o eu lírico não precisa ser você, necessariamente, mas sendo, é a sua cara esse melodrama de se achar no fim da juventude. (:
    E num sei explicar, mas adoro o seu jeito de combinar as palavras. A palavra que você escolhe para suceder uma outra é tão justa. Não só aqui, nestes todos. Fico pensando como se deu essas escolhas: se você escreve de uma vez, se relê várias vezes (Aposto a segunda opção).
    Só pra pontuar uma outra coisa, adoro os ‘E’s desse texto. No início de cada verso, dá um tom de continuidade em cada linha que ultrapassa o fim do poema. Ele ainda está andando poraí. Será que ainda procura respostas?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: